Aumento exponencial de casos de escarlatina – Serviços de Saúde apelam à prevenção e reforço das medidas de higiene
2018-03-13 19:18:00

Aumento exponencial de casos de escarlatina – Serviços de Saúde apelam à prevenção e reforço das medidas de higiene

Fonte: Serviços de Saúde

No final do passado mês de Fevereiro os Serviços de Saúde registaram uma subida exponencial dos casos de escarlatina. Em média têm sido registados sete (7) casos por semana sendo que na última semana o numero de casos subiu para uma média de 16 casos um numero similar ao registado no período homólogo do ano passado.

Até ao dia 13 de Março, foram registados 133 casos de escarlatina um numero superior ao registado no período homologo do ano passado em que foram registados 83 casos. A proporção entre sexo masculino e feminino é de dois (2) casos para um (1) e a idade das crianças infectadas está compreendida entre os três (3) e os oito (8) anos. Os casos detectados em crianças representam 86,6% dos casos de escarlatina registados em Macau.

Em 14 situações houve necessidade de internamento hospitalar e após recuperação tiveram alta hospitalar. Não foram registados casos graves ou mortais, nem casos colectivos de escarlatina.

Devido a esta situação mais activa da activa da escarlatina em Macau, os Serviços de Saúde estão a prestar estreita atenção a esta situação epidemiológica, apelando aos pais, às instituições de ensino e às creches para a necessidade de estarem em alerta para a detecção precoce de eventuais casos e prevenir eventuais contaminações por escarlatina, nomeadamente reforçando a higiene pessoal.

A Escarlatina é uma doença respiratória aguda transmissível causada pelo estreptococo beta hemolítico do grupo A (Streptococcus pyogenes). Geralmente, o período de incubação é de 1 a 3 dias. Esta doença é transmitida principalmente através de contacto com as secreções orais ou respiratórias ou salpicos de saliva de pacientes infectados. Uma vez que esteja infectado, o paciente fica numa situação de elevado contágio, quer antes, quer depois da manifestação da doença. As pessoas podem contrair escarlatina em qualquer período do ano e o pico desta doença ocorre geralmente na primavera e no inverno e infecta principalmente crianças entre os dois (2) e os oito (8) anos de idade. Os principais sintomas são febre, dor de garganta, língua com aspecto semelhante a um morango e prurido. As erupções aparecem frequentemente no pescoço, no tórax, nas axilas, nas fossas cubitais, na virilha e no lado interno das coxas. As erupções cutâneas típicas da escarlatina não aparecem no rosto e a pele da região afectada geralmente torna-se muito áspera. Após o desaparecimento das erupções cutâneas, a pele manifesta escamação.

O tratamento eficaz pode ser conseguido através da administração de antibióticos. Sem tratamento adequado esta doença pode sofrer complicações, nomeadamente com o aparecimento de otite média, febre reumática, doença renal, pneumonia, linfadenite, artrite, etc.

Não existe vacina contra a escarlatina, por isso, os alunos, os pais, as instituições de ensino e as creches devem tomar precauções para reduzir a possibilidade de infecção. As instituições de ensino e as creches logo que detectem qualquer caso de infecção colectiva, devem notificar imediatamente o Centro de Prevenção e Controle de Doenças dos Serviços de Saúde, a Direcção dos Serviços de Educação e Juventude ou o Instituto de Acção Social.

Com vista a prevenir a infecção pela escarlatina, os cidadãos, as instituições de ensino e as creches devem tomar as seguintes medidas:

Higiene pessoal

    1. Lavar frequentemente as mãos, mantendo-as sempre limpas, ou usar um desinfectante alcoólico, em especial antes de estarem em contacto com os olhos, o nariz e a boca;
    2. Procurar cobrir a boca e o nariz quando espirrar ou tossir, de preferência com um lenço e deitá-lo no lixo depois de usado;
    3. Não partilhar toalhas com outra pessoa;
    4. Utilizar luvas, quando manusear objectos e lugares contaminados por secreções ou excrementos;
    5. Praticar sempre desporto, descansar o suficiente, ter uma alimentação equilibrada, evitar fumar e deslocar-se a lugares públicos densamente frequentados;
    6. Evitar contactos próximos com doentes que manifestem sintomas da escarlatina;
    7. No caso de sofrer sintomas da escarlatina, tais como, febre, tosse, devem usar máscara e recorrer de imediato ao médico;
    8. Os doentes devem permanecer no domicílio e suspender o serviço ou a ida à escola.

Higiene ambiental:

    1. Manter a limpeza e a secura do ambiente e garantir uma boa ventilação de ar no interior da sala;
    2. Proceder, no mínimo, uma vez por dia à limpeza e desinfecção dos brinquedos utilizados, mobiliário, pavimento e locais com os quais as mãos têm contacto frequente;
    3. Proceder de imediato a uma desinfecção adequada dos materiais ou lugares contaminados pelas secreções ou excrementos;
    4. Assegurar a existência de sabão líquido e toalhas de papel descartáveis ou secador para as mãos nas instalações sanitárias.


Volta